Publicidades

Bolsonaro diz que fala sobre governadores de ‘paraíba’ foi crítica a João Azevêdo e Flávio Dino

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesse sábado (20) que a fala sobre governadores de “paraíba” foi uma “crítica” aos governadores do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), e da Paraíba, João Azevêdo (PSB), “nada mais além disso”.

Nesta sexta-feira (19), durante uma conversa informal com o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil), antes de um café com jornalistas, Bolsonaro afirmou que daqueles “governadores de 'paraíba', o pior é o do Maranhão; tem que ter nada com esse cara”.
A conversa foi registrada pela TV Brasil e viralizou nas redes sociais na tarde de sexta-feira.
O uso de um termo pejorativo para se referir aos nordestinos provocou a reação de governadores da região, que manifestaram "espanto e profunda indignação".
Neste sábado, durante entrevista a jornalistas em frente ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro foi questionado sobre a declaração. Ele disse que foi "uma crítica em 3 segundos" e que a imprensa "fez uma festa" com a declaração.
“Eu fiz uma crítica ao governador do Maranhão e da Paraíba. Vivem me esculhambando. Obras federais que vão para lá, eles dizem que é deles. Não são deles, são do povo. A crítica foi a esses dois governadores, nada mais além disso”, disse o presidente.
Bolsonaro acrescentou que os governadores do Nordeste “são unidos” e têm a mesma ideologia. “Perderam as eleições e tentam o tempo todo, através da desinformação, manipular eleitores nordestinos”, declarou.
Em uma rede social, Flávio Dino disse que neste sábado o presidente da República tentou "dissimular grave preconceito regional". O maranhense disse lamentar a atitude de Bolsonaro.
"Hoje o presidente da República reiterou agressões pessoais contra mim e o governador da Paraíba, tentando dissimular grave preconceito regional. Seria mais digno ter se desculpado. Mas o ódio impede um gesto de respeito e grandeza. Lamento muito. 'Amanhã há de ser outro dia'", afirmou.
Reação
Governadores do Nordeste divulgaram uma carta em que cobram explicações do presidente. Eles afirmaram ter recebido "com espanto e profunda indignação a declaração do presidente da República transmitindo orientações de retaliação a governos estaduais, durante encontro com a imprensa internacional". O comunicado conclui: "Aguardamos esclarecimentos por parte da presidência da República e reiteramos nossa defesa da Federação e da democracia".
Os governadores do Maranhão e da Paraíba também se manifestaram nas redes sociais. "Como conheço a Constituição e as leis do Brasil, irei continuar a dialogar respeitosamente com as autoridades do governo federal e a colaborar administrativamente no que for possível. Eu respeito os princípios da legalidade e impessoalidade (artigo 37 da Constituição)", disse Flávio Dino.
João Azevêdo disse condenar "qualquer postura que venha ferir os princípios básicos da unidade federativa e as relações institucionais deles decorrentes. A Paraíba e seu povo, assim como o Maranhão e os demais estados brasileiros, existem e precisam da atenção do governo federal independentemente das diferenças políticas existentes. Estaremos, neste sentido, sempre dispostos a manter as bases das relações institucionais junto aos entes federativos, vigilantes à garantia de tudo aquilo a que tem direito".
Neste sábado, o governador de Alagoas, Renan Filho (MDB), também comentou o assunto.
“Não ao preconceito ao Nordeste e ao nosso povo. Respeito, federação e democracia são conceitos amplos que não combinam com a visão pequena, mesquinha", escreveu o emedebista em uma rede social.