Publicidades

Mulher é detida suspeita de agredir a filha de nove anos, na Grande JP

Uma mulher de 28 anos foi detida nesta quinta-feira (25) suspeita de agredir com tapas a filha, uma menina de nove anos. As agressões aconteceram no domingo (21), na casa onde elas moram, no município de Cruz do Espírito Santo, na Grande João Pessoa.
Ao Portal Correio, o major Sidney, comandante da 3ª Companhia de Polícia Militar em Sapé, contou que a avó da menina, que é a responsável legal por ela, foi quem denunciou o crime após filmar a suspeita batendo na criança.
A mulher teria agredido a filha após descobrir áudios da menina a xingando. Quando a suspeita pediu para a criança mostrar os áudios, a menina disse que tinha apagado o conteúdo. Com isso, a mulher deitou a menina em uma cama, subiu nela e começou a dar tapas no rosto e ameaçar a criança.
“A suspeita, a vítima e a avó moram na mesma casa, onde também residem outros três filhos da agressora e mais dois sobrinhos dela. O fato aconteceu por conflito de autoridade, no qual a mãe, que não tem mais a guarda da menina após deixar ela dois anos sem estudar, tentava dar ordens e a avó, atual responsável legal, dava uma contra-ordem”, disse o major.
Ainda segundo o major, a suspeita era procurada desde segunda-feira (22) e só foi localizada nessa quarta. Ela foi encaminhada à Delegacia, onde prestou depoimento. O Portal Correio tentou contato com a Delegacia de Polícia Civil em Cruz do Espírito Santo para saber se a mulher havia sido presa ou responderá ao inquérito em liberdade, mas as ligações não foram atendidas até a publicação desta matéria.

Terceiro caso em 15 dias

Esse é o terceiro caso, desde o dia 11 deste mês, envolvendo agressões de mãe contra filhos registrados na Paraíba.
No dia 11, um menino de sete anos deu entrada no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande vítima de agressão doméstica. Ele estava sendo mantido em cárcere privado pela própria mãe, na zona rural do município de Boqueirão.
Quando a criança foi encontrada, estava com várias marcas de agressões pelo corpo e em estado de desnutrição. A suspeita é que ela tenha passado quase 40 dias sendo acorrentada e sob maus-tratos.
Suspeitos do crime, a mãe do menino e o padrasto dele foram presos preventivamente no dia 18 deste mês. Na terça-feira (23), a Justiça manteve a prisão deles e os encaminhou para unidades prisionais.
Já nessa quarta-feira (24), uma mulher foi presa suspeita de espancar a filha, uma menina de dez anos, e a sobrinha, criada como uma filha, uma garota de nove anos. As agressões, promovidas com tapas e com uso de cinturões e cabos de vassoura, aconteciam na casa onde elas moravam, em Campina Grande.