Publicidades

Pesquisa da PB testa bambu para substituir plástico


A poluição do meio ambiente com materiais descartáveis de plástico é uma das principais preocupações dos ambientalistas na atualidade. A fim de substituí-lo e revolucionar a arquitetura e a engenharia civil, o pesquisador do Leonaldo Alves de Andrade, do Centro de Ciências Agrárias (CCS) da UFPB, em Areia, no Brejo paraibano, testará mais de 50 mudas de 18 espécies de bambu.
“A partir do bambu, é possível produzir bens e serviços ambientalmente sustentáveis, desde os mais simples até os industriais, a exemplo dos utensílios domésticos. Estamos estudando formas de tratar o bambu para que tenham durabilidade. Hoje, já é possível ver construções feitas a partir da planta”, conta o pesquisador.
Segundo o especialista, o bambu é um produto renovável, com alta taxa de crescimento e com a possibilidade de ser produzido sem grandes riscos ambientais. A ideia é testar a adaptação e desempenho da planta na região e integrá-la à cadeia produtiva.
“É uma alternativa de renda e de capitalização para os agricultores, porque é pouco exigente, é muito produtiva e com perspectiva de mercado em função da necessidade de produtos sustentáveis e não poluentes”.
As mudas que serão plantadas em 60 dias vieram de três fazendas do interior de São Paulo. Foram viabilizadas pelo pesquisador Moisés Medeiros Pinto, líder da Rede Paulista do Bambu (REBASP) e membro do Conselho Consultivo da Rede Brasileira do Bambu (RBB).
Leonaldo Alves de Andrade explica que elas ainda não foram cultivadas porque são pequenas. “Estamos esperando que cresçam para poder plantá-las em uma área experimental”.