Publicidades

João Azevedo não adere ao programa de escolas cívico-militares e pode prejudicar municípios

O deputado estadual Wallber Virgolino (Patriotas) criticou o governador João Azevedo (PSB), por não aderir ao programa de escolas cívico militares proposto pelo Governo Federal.
“Educação é prioridade na Paraíba?”, questionou Wallber Virgolino. “15 Estados e o Distrito Federal aderiram ao Programa das Escolas Cívico-Militar, prazo para adesão foi dia 27, mas a Paraíba ficou de fora”, lamentou.
Wallber Virgolino lembrou ainda que os prefeitos têm até o próximo dia 11 para aderir ao programa. “Estamos instigando os prefeitos paraibanos”, disse.
Todos os estados das regiões Centro-Oeste, Norte e Sul aderiram ao projeto. O MEC confirmou que o Ceará é um dos estados que não estava entre os esperados, mas aderiu. É a única unidade do nordeste.
No Sudeste, a adesão também foi de apenas um ente: Minas Gerais. Rio de Janeiro e São Paulo não quiseram fazer parte neste primeiro momento.
Prejuízo nos municípios
Os municípios da Paraíba e outros 10 estados que não manifestaram interesse podem encaminhar novo pedido, mas será mais difícil, segundo a pasta. A preferência será dos municípios cujos estados se manifestaram. O prazo para as prefeituras começa na próxima sexta-feira e vai até 11 de outubro.
— Fica um pouco mais difícil, do ponto de vista técnico você reduz, porque precisa do apoio dos estados. Não necessariamente inviabiliza, mas dificulta. — disse o ministro Abraham Weintraub.
Nesta primeira etapa, ainda não se sabe quais escolas passarão pela transformação, prevista para 2020. As prefeituras de cada estado que aderiu ao modelo devem manifestar o desejo de fazer parte da iniciativa. Só então, as unidades escolares serão conhecidas.