Publicidades

Austeridade: Governo Federal vende mansões de ex-ministros


governo Jair Bolsonaro se desfez nesta quarta-feira, dia 28, de duas das últimas mansões funcionais na quadra um dia apelidada de Península dos Ministros, um endereço nobre de Brasília às margens do Lago Paranoá. O Ministério da Economia arrecadou R$ 18 milhões com a venda.

A antiga residência do Ministério das Relações Exteriores foi arrematada por R$ 7,2 milhões, enquanto a morada destinada aos titulares da Casa Civil recebeu lance máximo de R$ 10,8 milhões. Ao todo, o governo recebeu seis propostas de compra.
A residência do Itamaraty, nos últimos anos foi usada esporadicamente para encontros diplomáticos. O imóvel teve um ágio de 17% sobre o lance mínimo estipulado em R$ 6,2 milhões. O nome do comprador não foi divulgado.

Já a residência da Casa Civil, mais valorizada e mais bem conservada, estava avaliada em R$ 6,3 milhões e foi comprada pela empresa Bricco Construções, com ágio de 70%.

Uma terceira casa, também no Lago Sul, mas fora da “península”, não recebeu propostas. Avaliado em R$ 2,7 milhões, o imóvel poderá ser ofertado pelo governo com preço até 25% inferior.
Em 2017, o governo Michel Temer alienou a antiga casa de luxo dos ex-ministros da Fazenda por R$ 11,4 milhões  em valores corrigidos pela inflação, R$ 12,5 milhões. Ela foi comprada pelo médico Rafael Borsoi Leal, com ágio de 71% sobre a avaliação inicial, de R$ 6,6 milhões.

Outros imóveis – A retomada das vendas inclui também uma série de apartamentos funcionais em Brasília e imóveis de diversos tipos, como terrenos, casas e prédios, em todo o País.

Nesta quinta-feira, 30, o governo tentará vender um terreno de 65 mil metros quadrados avaliado em R$ 252 milhões no Octogonal, área residencial de Brasília. Moradores dos diversos condomínios de apartamentos do entorno protestaram no fim de semana contra a venda para a iniciativa privada. A área desocupada do terreno, uma das últimas não edificadas no bairro, ainda preserva a vegetação e é frequentada como se fosse um parque informal.
Atualmente, apenas dois ministros do governo vivem em imóveis funcionais da União, André Mendonça (AGU) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo). Na QL 12, a quadra da Península, há ainda casas oficiais dos comandos militares, embaixadas e escritórios de advocacia, além de representação de partidos, como a sede do MDB.