Publicidades

Zombei do ‘fique em casa’, diz mulher que perdeu marido por Covid-19



A viúva de um sargento da Polícia Militar morto na semana passada em decorrência da Covid-19, infecção causada pelo novo coronavírus, gravou um vídeo em que relata, arrependida, ter zombado das recomendações de isolamento social feitas por autoridades sanitárias. Silvana Cunha confessa que nem ela, nem o marido respeitaram a quarentena domiciliar. “Eu não fiquei em casa, meu marido não ficou e, infelizmente, faleceu”, lamenta.
Ainda no vídeo, compartilhado em redes sociais, Silvana conta que chegou se preocupar mais com a economia, do que com a crise na saúde pública. Segundo apurou a TV Correio, o marido de Silvana morreu no Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires, em Santa Rita, na Grande João Pessoa. O sargento tinha 57 anos de idade e 30 anos de serviço à Polícia Militar.
“Há 15 dias, eu escutava essas palavras ‘Fique em casa’ e até cheguei a zombar. Fiz um vídeo dizendo ‘fique em casa, mas quem vai pagar nossas contas?’. Essas palavras são muito pesadas para mim hoje porque eu não fiquei em casa, meu marido não ficou e, infelizmente, faleceu. E ontem eu senti o peso dessas palavras mais ainda quando eu cheguei, meu filho olhou pra mim e falou ‘mãe, você salvou meu pai?’ e eu apenas disse que não. Eu disse ‘não, meu filho, ele está com Deus’. [Agora] eu estou pedindo: fique em casa por que eu sei o peso dessas palavras hoje na minha vida”, diz Silvana Cunha, no vídeo.